Cinza 18% – Cinza médio ou neutro na fotografia

[sc:script ]

Conteúdo



Escala-de-cinza-

Introdução – O que é Cinza 18%

A escala de tons do branco ao preto tem diversos tons de cinza, e o tom de cinza que está no meio desta escala é uma mistura exata de 50% de branco e 50% de preto. Este tom de cinza, chamado também de cinza médio, cinza neutro ou tom médio de cinza, reflete 18% da luz incidente. Veja a escala a seguir.


Como funciona o fotômetro – Relação com cinza médio 18%

O fotômetro da maioria das câmeras analisa a luminosidade que passa através da lente em tempo real (em inglês, o termo “através da lente” é abreviado como TTL – Through the lens). O indicador de exposição, marcado nas fotos abaixo em vermelho, mostra se a foto está subexposta (-), perfeitamente exposta (ponto 0) ou superexposta (+).

É como se o fotômetro da câmera pegasse todos os tons – claros e escuros, luzes e sombra – da área relevante* da sua foto e os jogasse em um liquidificador para que o tom final fosse cinza médio 18%.

*A área relevante para o cálculo da exposição depende do modo de fotometria selecionado.

  • Se a foto estiver com a média de tons tendendo a cinza neutro 18%, a câmera interpreta que a fotografia está perfeitamente exposta, e então o indicador de exposição vai marcar o ponto 0 (no meio).
  • Se a foto estiver mais clara que cinza neutro 18%, o indicador de exposição vai mostrar em quantos stops a foto está superexposta (+).
  • Se a foto estiver mais escura que cinza neutro 18%, o indicador de exposição vai mostrar em quantos stops a foto está subexposta (-).

Veja as fotos a seguir ilustrando os 3 pontos citados:

Note que algumas câmeras não são calibradas por seus fabricantes para exposição perfeita com 18%. Este valor varia de modelo para modelo e de fabricante para fabricante, podendo variar entre 12% e 18%.

Para aprender se a sua câmera utiliza 18% como tom neutro ou não, veja a nossa página sobre Cartão Cinza 18%.


Como a fotometria da câmera pode induzir o fotógrafo ao erro

Quando usado com a câmera em modo manual, o objetivo do fotômetro é induzir o fotógrafo a manipular as variáveis do triângulo de exposição (ISO, f/stop e tempo de exposição), de forma que a fotografia tenha uma exposição geral média, e esta exposição equivale exatamente a um tom médio de cinza (que reflete de 12 a 18% dependendo da câmera).

É muito cômodo seguir sempre o que o fotômetro da câmera mostra, porque ele é rápido, não exige nenhum esforço por parte do fotógrafo, e é confiável na maioria das vezes. Porém todos devem saber suas limitações para não errar.

O fotômetro é feito para expor corretamente cenas cuja maioria dos tons são médios. Esta é uma aproximação que funciona relativamente bem para a maioria das situações e composições fotográficas, não funcionando em situações extremas de iluminação, como uma cena de inverno com neve que reflete a luz muito mais do que 18%, ou como em fotos de silhuetas contra o sol (de altíssimo contraste).

O problema é que nestas situações, o fotômetro intrepreta a sua cena como se fosse de tonalidades médias, o que não é verdade, ficando a fotografia final superexposta ou subexposta.

Veja abaixo os casos em que o fotômetro pode induzir o fotógrafo ao erro:


1 –Tons brancos, ou muito claros, dominantes na composição

Fotografias high key, com predomínio de objetos brancos ou muito claros – como por exemplo uma superfície coberta de neve, uma folha de papel branco ou uma parede branca -, refletem muito mais de 18% da luz incidente.

Como a câmera está configurada para interpretar 18% de reflexão, ela “pensa” que o objeto está superexposto. Por isto, composições fotográficas muito brancas tendem a ser “acinzentadas” pela câmera – ou, em outras palavras, escurecidas.


2 – Tons pretos, ou muito escuros, dominantes na composição

Fotografias low key, com predomínio de objetos pretos ou muito escuros – como uma rua asfaltada, um amontoado de pedaços de carvão ou mesmo um cachorro preto, por exemplo -, refletem menos de 18% da luz incidente.

Assim, a câmera interpreta uma composição de tons predominantementes escuros perfeitamente exposta como se ela estivesse subexposta. Então, objetos muito escuros tendem a ser “acinzentados” pela câmera – ou, em outras palavras, clareados.

Veja abaixo o exemplo de uma foto tirada em uma praia com areia preta vulcânica.


3 – Alto contraste e falta de tons médios

Cenas muito contrastantes, com a presença de tons muito claros e de tons muito escuros, sem tons médios, também podem confundir o fotômetro. Este tipo de cena desafia os limites do alcance dinâmico da câmera. Em alguns casos, o fotômetro consegue expor bem cenas contrastantes, mas nem sempre a exposição vai ficar da forma que você quer.

Como exemplos, podemos citar dois casos:

A- Há situações em que você quer que a exposição fique escura.

B- Em outras você quer que tudo fique bem exposto… Para isso, pode-se fazer HDR ou usar um filtro de densidade neutra graduado.


Cartão cinza 18%

Em todos estes casos citados, o cartão cinza 18% ajuda a acertar na exposição.

Visite nossa página para aprender como usar um: Cartão Cinza 18% – Como Usar


Publicado por Câmera Neon em 2014-11-27 00:13:57. Última atualização em . [sc:end2 ]

Visitado 8,563 vez(es), 1 visita(s) hoje