Novo Contribuidor – Primeiros Passos de Um Fotógrafo de Banco de Imagens Stock

Conteúdo


Introdução

Depois de alguns anos fotografando, acumulamos fotos de passeios, viagens, amigos, eventos e tudo mais. Algumas servem só de lembrança, mas tem outras que a gente bate o olho e pensa “esta foto é muito boa para ficar guardada nos meus arquivos sem ninguém ver”.

Foi com este pensamento que resolvemos colocar algumas de nossas fotos para vender em banco de imagem através de uma agência de fotografia stock. Assim, a foto passa a ser útil – e ainda por cima dá para ganhar dinheiro com ela.

Neste artigo, contamos a experiência que tivemos até hoje com a venda de fotos em agência stock. Damos também algumas informações importantes para você considerar se as possibilidades que a fotografia stock abrem são mesmo para você ou se vale mais a pena focar seu tempo e esforços em outras opções.

Outro objetivo deste artigo é dar algumas dicas para você se planejar e ficar melhor preparado antes do seu primeiro envio.


O primeiro contato com a fotografia de banco de imagens – stock

A experiência em si não é das mais fáceis. Desde o início temos que entender o que cada agência espera do fotógrafo. Tem agências de vários tipos: há as que focam em retratos de celebridades (ou seja, esperam que o fotógrafo contribuidor seja um paparazzo), as que são especializadas em fotos de viagens, outras priorizam fotos de acontecimentos recentes, e outras vendem fotografias para clientes empresariais. Mas, no fim das contas, após olhar o banco de imagens das grandes agências stock, notamos que, mesmo que algumas tenham um foco, a grande maioria também está aberta a vender fotos que estão fora do seu escopo principal. 

Algumas agências de microstock vendem de tudo, não parecendo ter um foco principal – então é mais fácil para fotógrafos amadores serem aceitos por estas.

Durante a pesquisa inicial, na documentação que você vai ler com informações de determinada agência, terão informações das fotografias que têm melhor saída (vendem mais) através do website deles. Lembre-se que às vezes, as fotos que vendem mais no banco de imagem de uma agência podem não ser as que vendem mais através de outra. É o foco dos clientes deles (os compradores das suas fotos) que determina se uma foto vende mais do que a outra.

Depois que se decidir em qual ou quais fotografias stock você vai preferir concentrar esforços, e escolher a(s) agência(s) onde entrar, é preciso ler bem os contratos, termos e condições. É necessário entender como será o uso dado para as suas fotos, se você está cedendo algum direito a troco de nada (sim, existem bancos de imagem que cedem direito de uso de imagem de forma gratuita).

Não é tão fácil quanto pode parecer ganhar dinheiro com fotografia stock. Requer trabalho, leitura e dedicação de algumas boas horas logo no início.

A inscrição para virar um novo fotógrafo contribuidor é um processo que pode levar alguns dias (ou semanas) desde o momento em que você lê pela primeira vez o contrato até quando as suas primeiras fotos são aceitas para venda.


Inscrição – Virando um contribuidor

Após ler a documentação e decidir se juntar à uma agência stock, você vai precisar responder alguns formulários para se inscrever. Muitas agências ainda exigem ver o seu trabalho antes de te aceitar ou não.

Em algumas delas, é possível fazer upload de suas fotografias durante o próprio processo de inscrição, além de te dar a opção de enviar um link para portfólio separado – apesar de opcional, é recomendado que se envie o link.

Há agências que não aceitam portfólio em sites de mídia social, como Flickr, Facebook, 500px, Behance, etc. Elas só aceitam ver seu portfólio se você o tiver hospedado em um site próprio. O motivo disto é simples: ao enviar fotografias para redes sociais, você permite a utilização/cópia delas por outras pessoas e pelas empresas que as estão hospedando.

A dica é: antes de se inscrever, olhe as instruções e os formulários de inscrição online para se preparar e montar seu portfólio. É preciso um bom tempo até escolher as fotos, tratá-las e salvá-las com as dimensões e qualidade pedida pela agência stock – aí sim, depois, envie as fotos e complete a inscrição.

Depois de se ver inscrever, existe a possibilidade de você receber uma resposta negativa da agência. Se os avaliadores desta acharem que o seu foco não condiz com o deles ou se não estiverem contentes com a sua técnica, eles podem negar a sua entrada. Daí todo o tempo gasto com leitura de regras e portfólio específico para a submissão é perdido. Este é um risco. Mas não se deixe abalar, existem muitas agências stock e alguma delas se enquadra no seu estilo e foco. Neste ponto é interessante ressaltar que as agências microstock costumam ser menos rigorosas em seu processo seletivo.

Outro ponto a considerar é que, após a submissão completa da inscrição, as agências podem levar um tempo para responder (aceitando ou não). Então, não crie a expectativa de que basta submeter tudo que é pedido, mais portfólio e, no dia seguinte estará ok para começar a ganhar dinheiro, pois geralmente não é assim que funciona.


Organização antes de enviar as fotos

Ao ser aceito como fotógrafo contribuidor, o seu trabalho real começa. Antes de enviar as suas primeiras fotos para o banco de imagens sugerimos que você pense nas seguintes questões:

1. Como vou saber se já enviei determinada fotografia da minha coleção para uma agência stock? Posso utilizar algum programa de gerenciamento de imagens?

2. O que acontece se o meu computador parar de funcionar e eu perder as fotos guardadas no HD?

3. Como vou tratar as minhas fotografias para que elas fiquem prontas para envio e atendam a todos os requerimentos das agências stock?

4. Como posso gerenciar metadados, palavras-chave das minhas fotos e organizá-las no meu computador/software de gerenciamento de imagens de forma que eu não precise ter trabalho redobrado de entrar tags, títulos e descrições duas vezes?

5. O meu portfólio online atual está majoritariamente em sites como Flickr, Facebook, Instagram? Isto pode afetar o seu retorno financeiro caso você deseje se tornar um contribuidor exclusivo no futuro.


Conclusão

Se tornar um fotógrafo de banco de imagens, submentendo fotos para bancos de imagens de agências stock requer bastante trabalho prévio, leituras e informação (às vezes de documentos em inglês). Em alguns casos, todo este trabalho inicial não é recompensado (no caso de sua entrada ser negada), já em outros, proporcionam um retorno financeiro pequeno: Suas fotos são negociadas por agências (intermediadores) e você vai ganhar apenas uma comissão sobre o valor negociado.

Mas é importante também considerar o fato que suas imagens serão utilizadas por outras pessoas, podem aparecer online, em livros, jornais, revistas, anúncios etc. E isto traz um sentimento de recompensa que, para alguns, pode ir além daquele financeiro.

A organização necessária do seu acervo também é um benefício a se considerar – mas que também requer várias horas investidas. Ao invés de ter imagens não muito bem organizadas, você passa a ter fotos catalogadas, divididas em pastas, com palavras-chave, descrições, pós-processadas etc. E isto também agrega valor ao seu portfólio, ao seu conhecimento e seu preparo como fotógrafo.


Publicado por Câmera Neon em 2017-08-10 22:47:55. Última atualização em . Câmera Neon

Visitado 715 vez(es), 2 visita(s) hoje