Dicas de fotografia: 360 Chicago e Signature Lounge

[sc:script ]Conteúdo

Introdução

O edifício em Chicago conhecido como John Hancock Center foi inaugurado no ano de 1969. Ele tem 100 andares e quase 460 m de altura (se descontarmos as antenas no topo, ele passa a ter 344 m). Ainda hoje é um marco no panorama urbano de Chicago, e é facilmente reconhecível pela altura, cor escura e forma (que se afina aos poucos a cada andar acima, formando um tronco de pirâmide), além das duas antenas no topo. O Hancock Center é atualmente o quarto prédio mais alto de Chicago e o sétimo mais alto dos Estados Unidos. Em seu interior, há espaços comerciais como lojas, restaurantes, escritórios, consulados, além de 700 unidades residenciais do 44° ao 92° andar.

O mais interessante do John Hancock Center são as vistas da cidade proporcionadas pelos seus andares mais altos. Qualquer pessoa pode decidir visitar estes andares, tendo para isto 2 opções:

Veja abaixo o endereço e o mapa do edifício.

John Hancock Center
875 N. Michigan Avenue
Chicago, IL 60611

 

Neste artigo, vamos falar sobre dicas de fotografia a partir do observatório e do bar.

Diferentemente do Observatório Top of the Rock, em Manhattan, os visitantes do Signature Lounge e do 360 Chicago (Observatório John Hancock) não têm problema em fotografar em dias frios. Os ambientes são fechados por vidraças que vão do teto ao chão, oferecendo vistas impressionantes da cidade de Chicago.

O lado ruim de ser fechado é que você vai ter que tomar cuidado com reflexos aparecendo nos vidros.

 

Prós e contras do Signature Lounge e 360 Chicago (Observatório John Hancock)

  • Para entrar no Signature Lounge não precisa pagar nada, apenas o que consumir. Já para visitar o observatório tem que ter ingresso.
  • O observatório fica mais baixo, no 94 o andar, mas oferece vista de 360 graus da cidade (daí o novo nome, 360 Chicago). O bar, no 96o andar, oferece vistas para norte, sul e oeste. Se você quiser ver a vista para o lado leste, você precisa ir para o restaurante no 95o andar.
  • O observatório é mais bem preparado para turistas, com letreiros, placas e explicações para visitantes de primeira viagem. Lembre-se que o Signature Lounge é apenas um bar com uma ótima vista.
  • Nas sextas e sábados a noite, o bar é frequentado por muitas pessoas que vão lá para aproveitar os drinks e a vista – e não para ficar fotografando. Provavelemente você vai encontrar uma grande fila lá embaixo para pegar o elevador. As pessoas vão bem vestidas de acordo com as regras, portanto, levar sua câmera, tripé e equipamentos fotográficos para o Signature Lounge numa sexta ou sábado à noite não vai funcionar tão bem.
  • Há restrições quanto à idade para entrar no bar: menores de 21 anos podem entrar acompanhados até às 19:00h, não podendo mais entrar após às 19:00h. Já no Observatório John Hancock não há restrições de idade.

Concluindo: é a sua escolha pagar um pouco a mais para ter o que o 360 Chicago oferece, ou usar o seu dinheiro para comprar um drink (ou mais de um) no Signature Lounge.

Além de tudo citado anteriormente, o observatório 360 Chicago tem uma atração chamada Tilt, que oferece a chance da pessoa se inclinar, como se estivesse deitada no vidro, e ver a cidade lá embaixo. Veja o vídeo.

 

Dicas para fotografias no Signature Lounge e 360 Chicago (Observatório John Hancock)

1 – Para minimizar os reflexos nas janelas de vidro, não utilize flash. O flash pode refletir no vidro e destruir a sua foto (além de incomodar as pessoas à sua volta). Encoste a frente da sua lente na janela de vidro para tirar a foto.

2 – Não se encante apenas com a paisagem ao longe. Para criar uma composição interessante, busque incluir elementos no plano frontal da fotografia e deixar a cidade aparecer ao fundo.

3 – Aproveite para pedir uns drinks no Signature Lounge e fazer algumas fotos de bebidas e comidas.

4 – Tire fotos no modo RAW. O modo RAW permite uma maior flexibilidade no pós-processamento, inclusive de correção do balanço de branco, e oferece maior alcance dinâmico.

5 – Evite deixar a linha do horizonte no centro das suas fotografias. Utilize a regra dos terços para criar composições mais atraentes.

6 – Quando estiver fotografando a paisagem, evite utilizar um f/stop alto (abertura menor do diafragma). Isto vai fazer que sujeiras no vidro não borrem (muito) a sua fotografia. Além disso, vai evitar que problemas de difração ocorram. O cenário urbano em volta está relativamente longe e você NÃO precisa de um f/stop alto para diminuir a distância hiperfocal.

 

Que equipamento fotográfico levar

Lentes

Leve uma lente grande angular e também uma lente telefoto. A lente grande angular oferece a possibilidade de tirar fotografias do panorama urbano em geral, enquanto uma lente telefoto permite focar em detalhes da paisagem à sua volta.

Grande parte das fotografias tiradas do alto deste prédio são apontando a câmera para baixo, e fotos tiradas com uma lente grande angular apontando para baixo ficam com um sério problema de perspectiva. Por isto, pense também em trazer uma lente tilt and shift: a lente tilt and shift remove distorções de perspectiva sem precisar de pós-processamento. Além de permitir correção de perspectiva, lentes tilt and shift são capazes de foco seletivo e com isso criam efeitos de miniatura bem interessantes.

Se você não tiver uma lente tilt and shift, não se esqueça de corrigir a perspectiva das suas fotografias no pós-processamento, antes de publicá-las.

 

Filtros

Um filtro de densidade neutra graduado pode ajudar nas fotos do pôr do sol. Com ele, o céu vai ficar bem exposto, da mesma forma que o resto da foto.

Um filtro polarizador pode não ajudar muito nesta locação. Os vidros temperados podem acabar deixando as fotos marcadas. Mas mesmo assim, você pode levar o filtro polarizador e tentar usá-lo.

 

Outros equipamentos

No observatório 360 Chicago, o uso do tripé não é permitido, mas eles permitem monopés. E por falar em restrições, as fotos tiradas do observatório não podem ser vendidas.

 

Melhor hora para visitar – Dia ou noite

A melhor hora do dia para visitar é antes do sol se pôr. Assim, você tem tempo de ver a cidade durante o dia, com a melhor iluminação possível e, depois, ver as luzes de Chicago se acendendo aos seus pés.

Para saber a hora do pôr do sol, use o Photographer’s Ephemeris.

O problema de fotografar à noite é que os reflexos da iluminação de dentro do Lounge/Observatório ficam ainda mais aparentes nas fotos. Para minimizar os reflexos, chegue bem perto, e se possível, encoste a lente no vidro.

Outro problema de fotografar a noite, é a restrição de uso de tripé no observatório. Sem um tripé, podendo apenas utilizar um monopé, fica mais complicado fazer fotografia de longa exposição. A solução é aumentar a abertura do diafragma etambém o ISO para compensar a falta de iluminação e conseguir um tempo de exposição menor.

 

Melhor época do ano

Isto não se aplica apenas a fotografar no 360 Chicago ou no Signature Lounge, mas sim como dica de viagem para a cidade de Chicago em si. É bom saber que no inverno, em janeiro, a temperatura média mínima é de -8 graus Celsius, já tendo chegado a -31 graus.

Por isto, ao invés de buscar a melhor época do ano para visitar Chicago, guarde a mensagem: a não ser que você goste muito de frio, a pior época do ano é o inverno.


Publicado por Câmera Neon em 16/Setembro/2014. Última atualização em . Câmera Neon

Visitado 408 vez(es), 1 visita(s) hoje